Na Imprensa



JB on line
BNegão ganha bis
O primeiro videoclipe de BNegãoA verdadeira dança do patinho, todo realizado em animação pelo diretor Didiu Rio Branco (do premiado O próximo alvo, do Ratos de Porão), estréia no programa Central MTV dia 10. No clipe, os personagens viram patos, a exemplo do que acontece com o povo de certa nação ao sul do Equador. BNegão apresenta-se hoje na Lona de Realengo; dias 17 e 24 no Ballroom; e dia 29 no Sérgio Porto. Devido à grande procura, seu CD Enxugando gelo, que saiu acoplado ao número 1 de Outracoisa, está sendo relançado junto com a revista nas bancas de Rio, Sampa, Porto Alegre, Floripa, Curitiba, Natal, Brasília, Goiânia e Recife.

Portal Terra, Sonora
Entrevista com Autoramas



A banda Autoramas,está a tempos na estrada,tem 4 álbuns e é respeitadíssima no underground nacional.A banda é formada por Gabriel Thomaz(vocal,guitarra),Selma Vieira(baixo,vocal) e Bacalhau(bateria).

Confira agora o papo com o vocalista Gabriel Thomaz.

De quem foi a idéia das máscaras de luta livre no vídeo de "Hotel Cervantes"?
Sempre gostamos da lucha libre e já tinha algumas máscaras há alguns anos.O Didiu Rio Branco,diretor do clipe,um dia me encontrou e perguntou se não tinhamos alguma a música que tivesse a ver com esse tipo de temática,pois ele estava com algumas imagens assim. Eu falei que tinhamos uma nova "Hotel Cervantes", juntamos tudo e tudo se encaixou maravilhosamente,ficou um ótimo clipe,na minha opnião.



Portal MTV
0
O Ratos de Porão completa vinte e dois anos com João Gordo no vocal, Jão na guitarra, Boka na bateria e Fralda no baixo. Ano passado, a banda ganhou o prêmio da categoria Demo com o clipe "Agressão Repressão".

Este ano, o Ratos concorre com 
"Próximo Alvo", um clipe de animação feito por um amigo brasiliense chamado Didiu Rio Branco. João Gordo, vocalista da banda, conta que eles sempre quiseram ter um clipe assim: "Sou fissurado por desenhos animados desde criança, e para variar, o clipe foi feito na total brodagem como o anterior".

A música foi feita, nas palavras de João, logo após a "ressaca traumática apocalíptica no dia 12 de setembro". Para quem estava dormindo no dia 11 de setembro de 2001, a música se refere à destruição de um dos maiores centros capitalistas do mundo, o complexo do World Trade Center. O ataque foi atribuído à organização Al Qaeda, supostamente liderada pelo saudita Bin Laden.

O clipe faz uma reflexão bem-humorada sobre o atentado. Ao mesmo tempo lança a pergunta "Qual será o próximo alvo da Amérikkka?", (os três Ks são referência a uma das piores instituições que o ódio racial conseguiu criar no EUA, a Ku Klux Klan), mostra o horror do ataque e tira sarro de Bush, Saddam e Bin Laden. "11 de setembro foi uma experiência traumática para quem viu ao vivo pela televisão, e o tragicômico é marca registrada do Ratos de Porão", disse João.
Entrevista para o Showlivre.com
Autor do clipe do N.A.S.A., Didiu Rio Branco comenta a produção de "O pato" 
Por Rodrigo Carneiro - 19/04/2003

O ilustrador e diretor de clipes Didiu Rio Branco é um dos mais talentosos realizadores brasileiros. Vencedor da categoria Melhor Clipe Independente do Video Music Brasil de 2003, por “Qual será o próximo alvo da América?”, dos Ratos de Porão, e autor de clipes de BNegão, Capital Inicial, Autoramas, Sapotone, Pélico, entre outros, Rio Branco é responsável pelo mais recente clipe do N.A.S.A. (veja acima), projeto do brasileiro Zé Gonzáles e do norte-americano Squeak E. Clean, que reúne em torno de si nomes como Amanda Blank, Barbie Hatch, Chali 2na, Chuck D, The Cool Kids, David Byrne, Del Tha Funkee Homosapien, DJ AM, DJ Babao, DJ Swamp, DJ Qbert, E-40, Fatlip, George Clinton, Ghostface Killah, Gift of Gab, John Frusciante, Kanye West, Karen O, Kool Keith, Kool Kojac, KRS-One, Lovefoxx, Lykke Li, Method Man, M.I.A., Nick Zinner, Nina Persson, Ol’ Dirty Bastard, Ras Congo, RZA, Santogold, Scarface, Seu Jorge, Sizzla, Slim The Kid, Spank Rock, Tom Waits e Z-Trip.

A música é "O Pato" e faz parte do disco de estreia do grupo, The Spirit of Apollo (2009). “Eu me convidei para fazer esse clipe”, diverte-se o diretor. Leia a entrevista com Rio Branco.

1 - Quais as técnicas usadas para fazer o clipe? Ouvi dizer que foi bem trabalhoso.
Primeiro resolvi que a estória ia acontecer na Mooca, onde eu trabalho. Saímos eu e o Robson Minghini pelos botecos, ruas, estação de trem, vielas, clube Juventus, fazendo as fotos para pesquisa do Background. A cada boteco, tomávamos umas três cervejas (risos). Terminamos o dia bêbados (mais risos)!

Por um pouco de preguiça e pelas fotos terem ficado muito boas, resolvi usar assim mesmo, sem ser desenho.

punk, três acordes, “faça você mesmo”. Animo no Flash e edito no after, uso uns livros de animação para estudar os movimentos, desenho em cima de cenas que pego no YouTube (a cachorra sambando, por exemplo), uma mistura de técnicas, desenho quadro a quadro também. Isso na mão mesmo, na caneta, depois passo para o computador, onde aplico movimento e ponho a cor. O Robson fez o 3D do início e do fim do clipe. Tive ajuda da Débora Slikta, ela animou uns movimentos do Pato e as baratinhas junto com o Robson. Usei também grafite de dois artistas amigos, 
Rui Amaral e Onio.

Foi assim uma mistura de varias técnicas, 2D, 3D, animação com fotos, motion, desenho na caneta, na mesa digital, e muito suor e café!

2 - Você é amigo do DJ Zé Gonzáles há bastante tempo. Há quanto e como surgiu o convite para fazer o clipe?
Conheço o Zé há quase 15 anos. Ele é muito amigo da minha irmã Chris desde os anos 80, já conhecia de nome e pelo telefone. Conheci ele pessoalmente em Brasília, quando eu morava lá. O Planet Hemp fez um show, bem no começo da banda, show pequeno. não tinha hotel essas paradas. Metade da banda ficou na minha casa (risos), o Zé, Marcelo (D2, MC) e o Rafael(Crespo, guitarrista).

Eu me convidei para fazer esse clipe. Quando vi o projeto que ele tava fazendo, já fiquei ligado. A qualidade das músicas e os artistas convidados, só fodões, George Clinton, Tom Waits, de quem sou muito fã, Charlie 2na, David Byrne, e vários caras que eu já curtia. Li no Myspace que as músicas iam ter clipes em animação feitos por artistas gringos de primeira, Syd Garon, Shepard Fairey, Sage Vaughn, Logan Productions. Na mesma hora eu pensei: Preciso participar dessa porra!!!

Encontrei o Zé e falei: Pô cara … N.A.S.A., Norte America e Sul America, tá faltando um brasuca aí nos clipes, Quero fazer um! O pato! Ele topou na hora, depois de algumas semanas recebi um email dizendo que os gringos gostaram da ideia. Dai, só festa! E muito desenho (risos)!

3 - Você estreou com um clipe dos Ratos de Porão, “Qual será o próximo alvo da América?”. Como foi fazê-lo?
Fazer o clipe do Ratos foi maravilhoso! Foi o meu primeiro clipe. Tinha acabado de me mudar para Sampa, morava numa casa condomínio, o João Gordo estava sempre por lá, ele é compadre da Chris, minha irmã (olha ela aí de novo). Ela morava num loft em cima do meu.

Um dia ele me perguntou se eu não queria fazer um clipe pro Ratos. Lógico que eu topei, estava desempregado, sem fazer nada, só uns freelas, tinha acabado de me separar, à toa, saindo todo dia, vivia de ressaca. O clipe foi a salvação (risos).
Fiz sozinho em dois ou três meses, não lembro. Usei caneta Bic e animei no Flash. Depois, assim, tipo quem não quer nada, distraído, fui indicado e ganhei o prêmio da MTV de Melhor Clipe Independente de 2003. Nunca mais parei, fiz o 
B NegãoCapital InicialAutoramas, Sapotone, Pélico, participei de um do Charlie Brown Jr, e outros de bandas independentes. É uma parada que não dá dinheiro mais eu adoro! Adoro música e casar uma estória com ela, sentir o beat na hora que eu estou animando, dando ritmo paras imagens. Virou um vício, tenho que fazer pelo menos um por ano (risos), estou fudido, pois é muito trabalho.